Como aplicar o neuromarketing no e-commerce?

Antes de mais nada, o que é neuromarketing?

O neuromarketing é um novo conceito de marketing que, apropriando-se da ciência, busca compreender a lógica de consumo do ser humano. Isso porque o cérebro responde de formas diferentes a determinados estímulos externos. E aí, surge o marketing sensorial, que é buscar a comunicação através dos cinco sentidos. Muitas lojas em shoppings, por exemplo, utilizam a música em seus ambientes, seja para deixar o cliente mais à vontade ou, até mesmo, apressá-lo.

Então, como posso aplicá-lo em minha loja virtual?

É, graças a Deus a música caiu em desuso nos sites ou, quando um se atreve a usar, o Google Chrome já nos ajuda a identificar de qual das 20 abas abertas está vindo aquele som. O áudio só poderia ser aproveitado em recursos de vídeo no e-commerce. No demais, devido à natureza do nosso negócio, o único sentido que nos resta explorar é o visual, certo? Não, errado!

Layout

“A primeira impressão é a que fica”. Um layout bonito, organizado e de navegação intuitiva transmite ao usuário a sensação de confiabilidade. A visualização amigável e de boa performance em dispositivos móveis são detalhes indispensáveis.

Foto do produto

Uma boa foto é capaz de estimular nossos sentidos e nos despertar o desejo de consumo. O exemplo mais claro disso é com comida. Quantas vezes sentimos desejo de comer aquele cheeseburguer após vermos uma imagem? Tá, eu sei que também já ficamos frustrados inúmeras vezes esperando um igual ao da foto e o verdadeiro parecer que sentaram em cima.

Mas aí é uma oportunidade de você pensar em novas estratégias. Além de disponibilizar as fotos oficiais de divulgação em seu site, por que não ter um Instagram e produzir fotos com cenários diferentes que contextualizem seu produto?

Descrição do produto

A descrição do produto, em forma de texto, pode surtir o mesmo efeito. “um sorvete com o irresistível sabor do chocolate suíço” é muito mais atraente que “sorvete com gosto de chocolate suíço”. A própria palavra “sabor” já aguça mais nosso paladar, que agregada a um adjetivo, nos desperta uma maior vontade de consumo. Outra coisa: não copie descrições de outros sites! Além de o conteúdo ficar sem relevância no Google por ser duplicado, a descrição é uma oportunidade de concretizar uma venda, leve mais a sério.

Aproveite e leve também!

Sabe aquelas gôndolas no caixa do supermercado só com itens indispensáveis para nossa sobrevivência? Ou em torno da fila para o caixa de lojas com peças íntimas, meias, rabicós de cabelo, etc e tal? Você sabe que aquilo não está ali à toa, claro. E você sabe que podemos aplicar isso também no e-commerce, no carrinho de compras?

Corra! É a última unidade no estoque!

“Tô na dúvida se vou levar…” “Aproveita que é o último da tua numeração no estoque”. Essa frase mexe com o psicológico do cliente, que fica receoso de deixar de comprar e amanhã já ter esgotado.


Há outras inúmeras formas de se apropriar do neuromarketing para o e-commerce: cor e posição do botão comprar; o efeito dos selos de segurança na mente do consumidor; a preferência natural do cérebro de imagens à esquerda e palavras à direita; etc. Enfim, o nosso desafio é pesquisar e compreender os fatores psicológicos que podem afetar na decisão do cliente para melhorarmos os resultados de nossa loja virtual.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no google