O poder de boas promoções para a quarentena

Você deve estar pensando em como fazer boas promoções para a quarentena, mas sabe que se trata de um desafio, pois praticamente vivemos em um mundo novo, em que as percepções ainda não estão claras e as sensações estão afloradas, possivelmente bem acima do tom. Qualquer erro pode se voltar contra sua marca, sua reputação e seus objetivos.

Uma boa dica é ficar atento ao que as grandes marcas estão fazendo. Elas possuem estruturas profissionais robustas de marketing, capazes de oferecer respostas rápidas às dúvidas. Além disso, podem contar com a colaboração das melhores agências de comunicação do mercado e acesso a pesquisas atualizadas, embora não seja esse um privilégio dos gigantes.

Algumas empresas foram rápidas em perceber o que estava acontecendo. A Sadia, já no final de março, lançou uma campanha de utilidade pública em que pedia às pessoas que ficassem em casa, obedecendo à determinação das autoridades de saúde, e que não estocassem comida. É que havia naquele momento um início de corrida aos supermercados para estocar alimentos.

Acreditavam as pessoas que poderíamos enfrentar uma grande crise de abastecimento, uma crença totalmente infundada, haja vista todos os setores essenciais estarem em pleno funcionamento, particularmente a agropecuária, a indústria alimentícia e a área de logística. Segundo a direção da BRF, a principal mensagem por trás da campanha era o incentivo ao consumo consciente, uma causa que, devemos reconhecer, vai muito além do cenário peculiar da pandemia.

Se você quer promover sua marca, siga o consumidor

A Havaianas, marca da Alpargatas, marcou presença seguindo por outra linha, que é a de provocar empatia nas pessoas. A campanha global da Havaianas dizia: “Put yourself in someone else shoes”. Algo no sentido de incentivar as pessoas a se porem no lugar das outras.

Seguindo o mote da campanha, a Havaianas patrocinou a live de Marília Mendonça no Youtube, evento virtual que alcançou 3 milhões de pessoas. Ao longo do evento, foi anunciada a doação de R$ 50 mil para o Hospital Universitário da Univerdidade Federal da Paraíba, que é onde está instalado o maior parque industrial da empresa.

Nem é preciso ir muito mais além, pois quem tem acompanhado os diversos canais de mídia sabe que quase todas as empresas seguiram nessa linha. Nada disso, no entanto, é por acaso, mas uma resposta ao que espera o próprio consumidor das marcas em termos de conduta e posicionamento.

Pesquisa realizada pela agência Kantar, de inteligência de mercado, com 500 consumidores, identificou que 80% deles concordavam que as marcas devem comunicar suas ações para enfrentar a pandemia e mostrar como podem ser úteis nessa nova realidade que estamos enfrentando.

Há também uma preocupação da população com a forma como os funcionários dessas empresas estão sendo tratados em suas instalações. Entre os entrevistados, 67% se mostraram preocupados em ter sinais claros de que as empresas adotam medidas para proteger a saúde dos funcionários, como a higienização adequada dos postos de trabalho.

Como tudo isso pode ajudar a promover o meu negócio?

Qual é a lição que devemos absorver de tudo isso? É que para promover nossas marcas e nossos produtos é fundamental que estejamos conectados com as pessoas e com o nosso tempo. Ou agimos dessa forma ou estaremos falando para as paredes.

Portanto, o começo de tudo é saber o que pensa, o que sente e quais as expectativas do seu consumidor, além de reconhecer que tudo isso pode mudar de uma hora para outra por causa de uma pandemia que ninguém sabe quais sequelas deixará na sociedade.

A consultoria Croma realizou um estudo de Marketing que revelou que entre as dez marcas mais lembradas pelo público em tempos de pandemia o traço em comum eram as doações vultosas para o combate à Covid-19 e o redesenho de suas matrizes industriais para a produção de artigos como álcool gel e respiradores.

Tudo certo, mas como isso vai ajudar a promover o meu negócio?

É aí que entra a questão da marca, que é o mais valioso ativo que o seu negócio pode ter. A marca é como as pessoas percebem a sua proposta de valor, o seu papel na sociedade e em suas perspectivas de consumo. Isso significa que você precisa alinhar o seu portfólio de produtos, a sua comunicação, o seu atendimento, o seu preço e os seus canais de venda e propaganda às expectativas e comportamento das pessoas.

É sempre importante lembrar que lidamos com diversos públicos e que mesmo o nosso público alvo, aquela fatia do mercado consumidor que escolhemos para atender, possui expectativas que vão além do que, onde, como e em que quantidade consumir. É preciso perceber que essas pessoas são parte de uma sociedade complexa e que estão sujeitas a estímulos do meio, onde se enquadra a quarentena, que é aspecto chave para entendermos o comportamento do consumidor nesses dias difíceis.

Entendendo melhor o “P” de Promoção

Tudo isso nos leva a abrirmos nossas mentes para a amplitude do arcabouço promocional. O “P” de promoção, um dos quatro “Ps” táticos de Marketing, engloba múltiplos meios para convencer as pessoas de que a nossa proposta de valor é a melhor.

Temos a publicidade, o marketing de conteúdo, as relações públicas, o marketing interno, o marketing direto, o inbound, o PDV, a venda direta, o merchandising, o e-commerce e os canais de atendimento. Esses são os meios para levarmos nossas campanhas promocionais ao nosso público, sendo essas campanhas promocionais os estímulos para que as pessoas desenvolvam afinidade com nossa marca e comprem nossos produtos.

Promover nosso negócio não é só fazer campanhas de descontos e divulgá-las, mas tudo que fazemos para que as pessoas percorram nosso funil de vendas. É preciso mostrar a elas que faz sentido comprar aquilo que nós estamos vendendo. É necessário provar que estamos conectados com elas, com suas expectativas, com suas necessidades, com suas preocupações e seus valores.

Não esquecer que a comunicação está em todas as interações. Comunicamos o nosso posicionamento estratégico no preço que praticamos, no portfólio de produtos, no atendimento e nas políticas de pós venda.

Como fazer boas promoções na quarentena?

Considerando todas essas variáveis estratégicas, você já está preparado para promover seu negócio. Você está ciente de que precisa compreender como a quarentena influencia e redefine os comportamentos de consumo.

Já sabemos que um traço desse comportamento está relacionado aos aspectos emocionais e à própria percepção que as pessoas têm dos estímulos que recebem das marcas. É preciso, portanto, muito cuidado ao tratar a pandemia em suas campanhas, embora ignorá-la também seja um erro, uma vez que você poderia estar transmitindo uma atitude de indiferença com relação aos problemas e à realidade das pessoas.

O outro aspecto, sem dúvida alguma, é o e-commerce. Não que o e-commerce já não fosse uma tendência, uma vez que o setor caminha acelerado na contramão do restante da economia brasileira. O crescimento em 2019 em relação a 2018 foi de 22,7%.

Já é um número de deixar qualquer empreendedor com água na boca, não é? O que dizer, então, do crescimento de 81% do faturamento do e-commerce em abril de 2020 em relação ao mesmo mês de 2019?

Caso você não tenha começado a sua transformação digital, ainda há tempo, porque a migração do consumo para o ambiente digital será um passo sem retorno para muitos, mesmo após a pandemia. Quem tinha receios, mas se viu impossibilitado de consumir nos pontos de venda físicos, teve que se render à “aventura” e o resultado será perceber que o e-commerce é seguro, econômico, eficaz e conveniente. Porém é preciso dar o primeiro passo, que é criar o seu canal de e-commerce.

Aproveitamos para convidá-lo para conhecer a Moovin. É natural que você tenha receios em se aventurar em um novo canal, mas é por isso que nós existimos. Você não precisa se preocupar em elaborar uma estratégia. Nós temos tudo que você precisa com base na experiência que temos desenvolvendo soluções para nossos clientes.

Nossa plataforma de e-commerce garante a você:

– integração aos maiores marketplaces, colocando seus produtos rapidamente na mira de milhões de consumidores e alavancando suas vendas;

– integração omnichhannel, conectando seus estoques e seus canais de venda físicos com o canal digital.

– SEO avançado, para que você seja mais facilmente encontrado pelo seu público.

Para quem já trilhou esse caminho, mas também para quem está começando, a dica é investir mais em tráfego pago, particularmente no Google Ads.

As boas práticas estratégicas de Marketing ensinam que em um mercado em franco crescimento os investimentos em publicidade trarão retornos mais rápidos e robustos, quanto mais numa ferramenta capaz de canalizar grande volume de tráfego para seu e-commerce.

Invista, porque a hora é essa.

Invista também nas redes sociais. Pense que, por razões óbvias, as pessoas estão mais conectadas do que nunca na quarentena. Embora isso já fosse uma tendência do século XXI.

Contrate profissionais ou agências qualificadas para gerenciar suas redes sociais. É lá que você poderá interagir com o seu público, inclusive mostrando a ele que sua marca está conectada ao momento que as pessoas estão vivendo.

Para concluir, veja o exemplo desse estúdio de fotografia de Pernambuco. Repare na sutileza, na delicadeza e na forma como a mensagem dialoga com o momento, sem deixar de promover o negócio.

Você não precisa doar quantias vultosas para o combate a pandemia, patrocinar lives ou produzir equipamentos hospitalares e de higiene. É possível simplesmente mostrar às pessoas que você está conectado com elas.