Compra coletiva: 30% dos vouchers não são utilizados, diz empresa

O segmento de compras coletivas, puxado por sites como Peixe Urbano e Groupon que vendem cupons promocionais em parcerias com estabelecimentos comerciais, deve movimentar mais de R$ 1 bilhão em 2011. De olho nesse montante, os engenheiros Antônio Jorge Miranda e Vinícius Dornela criaram o Regrupe (www.regrupe.com.br), uma solução para pessoas que adquiriram ofertas em sites de compras coletivas e, por algum motivo, não poderão aproveitá-las. Hoje, estima-se que cerca de 30% dos cupons comprados são perdidos por esquecimento, falta de atenção às regras, entre outros motivos. O serviço permite colocar à venda os vouchers que não interessam mais, por qualquer preço desejado. Os compradores pagam no cartão de crédito e recebem na hora o código para utilizar a oferta.

Ao contrário dos modelos de classificados, no Regrupe comprador e vendedor não precisam se preocupar com operacionalizar a transação. E o site assume o risco por 30 dias após a compra, se comprometendo a devolver o dinheiro caso haja problemas para utilizar o cupom. Para os sócios, colegas de turma do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o modelo é vantajoso para todos os lados: o estabelecimento garante o cliente – já que a maior parte enxerga este tipo de parceria como ferramenta de marketing para atrair público; o vendedor não perde o cupom e os sites vêem o estímulo à compra por impulso crescer. “Todo mercado em ascensão precisa de nichos secundários que tornem o modelo sustentável. O tipo de serviço oferecido pelo Regrupe estimula o amadurecimento do mercado de compra coletiva, que, acreditamos, ainda tem muito potencial” explica Antônio.

“Este formato é inédito no Brasil e nossa equipe extremamente qualificada desenvolveu uma plataforma inigualável” completa Vinícius, referindo-se aos programadores que passaram pelo Google e Microsoft nos Estados Unidos. A cada transação, o Regrupe retém 8% do valor vendido e mais R$ 0,99. A partir disso, o site enxerga potencial para transacionar cerca de R$ 5 milhões até o final do ano. Ao contrário dos sites de compra coletiva, a atuação do Regrupe já começa nacional e seu potencial de expansão é imenso. “Pretendemos ingressar em outros países da América Latina e até nos EUA em poucos meses”, afirmam os sócios. “A nossa é a melhor plataforma de recompra de cupons do mundo”.

FONTE: http://ecommercenews.com.br/noticias/lancamentos/compra-coletiva-30-dos-vouchers-nao-sao-utilizados-diz-empresa