5 temas com que todo lojista online deve se preocupar em 2015

Não mais tendências, mas sim, já novas realidades. Listamos alguns pontos que vêm se destacando há algum tempo como aspectos a serem mais explorados no e-commerce.

1. OMNICHANNEL

Hoje os clientes começam pesquisando em uma loja virtual e fecham a compra na loja física; às vezes, veem e experimentam o produto em loja física, e realizam o pedido na loja virtual. Esta nova realidade de compra é chamada de omnichannel. O e-commerce deve buscar novas formas para lidar com esse consumidor, seja através da reformulação de suas políticas de preços entre canais, procedimentos de troca e devolução, investimentos em tecnologia e processos, novas arquiteturas logísticas e pelo treinamento e comunicação com seus vendedores.

2. BIG DATA E CONTEÚDO PERSONALIZADO

Em 2015 serão intensificados os esforços para analisar os clientes e seu comportamento para compreender as suas intenções. O objetivo é fornecer ofertas relevantes no momento certo. Históricos de compras e navegação dos clientes dão a oportunidade de que o conteúdo da página inicial e envio e-mails marketing sejam de acordo com os interesses do usuário. A personalização para cada visitante de forma individual, em vez de oferecer uma solução única para todos os clientes, tende a trazer mais conversões.

3. MOBILE

Segundo um levantamento realizado  pelo PayPal em parceria com a Ipsos há um mês, as compras online realizadas em dispositivos móveis devem expandir 50% comparado ao ano passado, movimentando R$ 7,3 bilhões. O estudo estima que, em 2015, o e-commerce no Brasil movimente R$ 81,3 bilhões, aumento de 17% em relação a este ano, enquanto o volume de transações móveis cresça 45% e some US$ 10,6 bilhões.

É válido portanto que os lojistas invistam em mobile commerce, através de layouts responsivos ou desenvolvidos exclusivamente para navegação nos smartphones. Em telas menores, a usabilidade deve ser aprimorada.

A utilização do SMS também pode ser mais explorada pelos lojistas. É possível enviar mensagens sobre o acompanhamento do pedido. A ferramenta tem baixo custo e uma taxa de 96% de leitura. Vale lembrar que é imprescindível solicitar a autorização do cliente para este tipo de serviço.

4. MARKETPLACES

Não é apenas uma febre passageira. As vendas em marketplaces alavancaram o faturamento de muitos lojistas e a tendência é que o fenômeno se intensifique em 2015. Grandes marcas do comércio eletrônico como Extra, Submarino e Walmart passaram a dar espaço em seus próprios sites para a comercialização de produtos de outros lojistas que são beneficiados pela reputação e visibilidade dessas empresas. Provavelmente muitas outras se lançarão neste modelo de negócio no próximo ano. É importante que o lojista que decidir vender também nesses canais de venda, utilize uma plataforma com integração completa com cada um destes, possibilitando a automatização de processos e a administração de todos os processos em um único painel.

5. REDES SOCIAIS E O BOTÃO COMPRAR

Além das próprias fanpages do Facebook que devem ser mais exploradas pelos lojistas para disseminar conteúdo e consequentemente a marca e interagir com seus públicos, nesse ano a rede social adicionou uma nova ferramenta aos anúncios: o botão “comprar”.  Após clicar no botão, o usuário continuará dentro do aplicativo, mas é remetido a uma página a fim de inserir dados para efetuar a compra. O Twitter e o Tumblr também realizaram testes para implantar uma ferramenta similar e o Google está estudando a possibilidade. Fique atento!